Páginas

quarta-feira, dezembro 21, 2011

Pertencimento



Seria eu tão digna para experimentar tal sentimento? Não sei dizer, tenho medo...
Pensava nele com carinho e cautela, pois tinha medo de sentir aquela sensação nova e tão diferente de tudo o que experimentou na vida. Era então Dezembro, e estava se sentindo absurdamente feliz,como no tempo de criança, quando sabia que iria ganhar um presente, agora adulta sentia que o por vir lhe prometia um punhado de momentos de plena felicidade.
Mesmo assim sentia-se arrepiar, queria pedir desculpas o tempo inteiro, sentia como se estivesse fazendo algo errado por saber que aceitava algo tão puro,quando sua pureza a muito tempo havia morrido...
- Mas o que é a pureza, senão a eterna gratidão pelos bons momentos da vida?
Era mulher, carregava em si chagas que nunca  iriam lhe abandonar, pois seu processo de crescimento fora demasiadamente doloroso até aquele ponto, por isso o questionamento, por isso o medo de acordar e perceber que tudo não passava de um sonho.
- O problema não é sofrer na vida, o grande problema e aceitar a condição de sofredor...
Decidiu que merecia sim sentir o que sentia, ser de tal modo retribuida e, porque não, admirada, afinal, era uma grande mulher, lutava por sua vida com a força de quem se aceita nascer e morrer a cada novo dia, pois todos esses dias não lhe somavam apenas anos e cansaço, como também lhe davam todo o direito de sorrir, todo o direito de ser e fazer alguém feliz.
Por fim, antes de dormir, fechou os olhos aceitando tudo o que a vida lhe trazia e reservava.

Na noite em que descobri que te amava deixei as cores entrarem na minha vida, passei a me achar mais bonita por não ser mais eu se não posso ser também você.
A vida é assim mesmo, dá um medo de viver, mas se soubermos aceitar, iremos aprender que tudo acontece como tem que acontecer, 

- Eu mereço ter você... 
                                     E assim, a garota foi ser feliz, 



sexta-feira, dezembro 09, 2011

Você

(Fonte:Google Imagens)

Quase um ano, o inicio de uma vida que não posso viver sozinha. Intenso como os primeiros dias da maternidade é o nascimento do amor verdadeiro, esse que chega sem pedir licença,pedindo ao nosso coração paciência, pois cada segundo sempre vai valer a pena.
Não somos raros, nem superficiais, não nos idealizamos, apenas nos aceitamos e tentamos aproveitar cada segundo de nossas vidas para que o caminho possa valer a pena e não nos maltratar.
Quando estou em seus braços só consigo desejar que os segundos se congelem para eu poder ficar, sempre quente junto a ti, pois tua força me traz paz e meu desejo toda ternura guardada há tempos dentro de mim. Cada gesto, cada toque, uma nova certeza, um querer ficar, imortalizado nos segundos em que posso esquecer de tudo e me concentrar em ser apenas sua e lhe sentir sempre meu.
Bom saber da sua existência, bom sentir tua presença, que mesmo longe sempre esta comigo, pois não se separa o corpo do coração.
Deixe o tempo passar, enquanto eu conto as horas, agradecendo pelos segundos e por tudo que passei, pois dentre as poucas certezas agora sei que toda dor passada foi necessária para que minha alma pudesse merecer tua presença na minha vida.
Longe de ti, choro, mas a tristeza não é por sentir dor, antes e por sentir o calor de um sentimento bonito que cada dia mais cresce em mim e me faz querer ser mais eu, por ser também você.

AO MEU QUERIDO VLADEMIR DORIGON, COMANDANTE DO MEU CORAÇÃO. rs

sexta-feira, dezembro 02, 2011

Detalhes

(Fonte:Arquivo Pessoal)

Agora é hora de dormir para você pode sonhar com coisas maravilhosas, dentro de sua paz desejo que viva enormes aventuras onde serás o héroi, o vilão, o dono de todo um mundo de fantasias e possibilidades.
Admirar teu sono e como me render ao encanto do espelho de Narciso, passo minhas mãos pelo seu rosto, decorando teus contornos, procurando o que de mim tem em ti. Noto aos poucos como estas mudando e mesmo assim consegue manter em si tamanha ternura que há alguns anos atrás eu pude ver no dia em que nos conhecemos, naquele momento onde você deixou de me ser e resolveu ser você.
Tu és a parte que me falta, a minha melhor metade, que num ato de bondade, entreguei ao mundo para torna-lo um lugar melhor.
Como eu tenho vontade de lhe defender contra todos os perigos de uma vida, queria apenas, e sempre, admirar teu sorriso te salvando das lágrimas e decepções que o tempo pode lhe trazer. Contudo tenho em mim a certeza de que não posso te privar de sentir o amargo da vida, posso apenas prometer que sempre estarei ao teu lado, para lhe dar um carinhoso abraço que vai sempre lhe confortar, pois com teu corpo grudado no meu sempre vai se lembrar que faz parte da minha alma e por isso nunca vou lhe abandonar.
Quero sempre me lembrar desses momentos que fico a velar teu sono pois sei que mesmo brincando com Morfeu consegues sentir o quanto lhe amo e como sempre ei de te amar, pequena parte da mim que cresce com autonomia seguindo sempre seu caminho com a certeza de que no fim sempre há de encontrar, esse porto seguro (meus braços) a lhe esperar.

quarta-feira, outubro 19, 2011

Única

Dia de amar seu corpo

Porque ao olhar no espelho me sinto unica e isso nenhum padrão ou tempo vai levar de mim, porque aprendi que para ser mulher não preciso ter medo das minhas peculiares transformações, antes preciso aceitar que o mundo é composto de mudanças e como ele, certamente, sempre estarei em constante transformação.
Sou uma mulher que pode se declarar, quase dentro dos padrões de beleza impostos pela mídia, não fossem alguns pequenos detalhes como a ousadia de permanecer com os seios tamanho 40 quando a tendência é 48 para cima. Uma mulher que não deixa de ser vaidosa, mas que não se intimida ao ser pega dormindo só de camiseta, alguém que na preguiça do dia não penteia os cabelos e não fica nervosa com isso, visto que meus cabelos são lisos e não importa o que eu faça eles sempre serão assim, que come sem pensar na dieta, visto que sempre fui magra e mesmo que com o tempo ganhe novas formas, certamente não irei ligar. Sou uma mulher que no mundo do silicone, cirurgia, botox e tintura, continuo natural sem nenhuma melhoria ou retoque para chamar a atenção.
Gosto de viver intensamente minhas mudanças, quando grávida adorava me admirar no espelho, notando que a cada novo dia eu já não era a mesma, hoje, cinco anos depois, começo a mudar um pouco, e como gosto de analisar minhas mudanças, pois todas denunciam apenas um fato: Continuo vivendo.
Uma coisa que me desagrada é, não somente ser encaixada no padrão de beleza, como também ter que carregar a imagem da mulher moderna nas costas. Não me acho especial por trabalhar, cuidar do meu filho, estudar e dar conta de fazer alguns serviços domésticos. Creio que isso só me torna um ser humano como tantos outros sejam homens ou mulheres, gordos ou magros. Temos que trabalhar para viver.
Gosto de ter a companhia de um parceiro ao meu lado, não um simples namorado ou marido, isso é coisa fácil de se conseguir, mas de ter um companheiro desses que sempre vou apoiar e na mesma medida serei apoiada. Como mulher gosto de ter um amor sereno, mas em respeito ao meu corpo gosto de sentir a força e a intensidade dos meus desejos. Isso não me faz uma mulher de pouco respeito, apenas me faz sincera ao admitir que eu tenho o direito de sentir e não somente de me deixar guiar.

Creio que o dia de amar o corpo e feito não somente para celebrar o orgulho por nossas curvas e nossa força, antes serve para mostrar que todas, independente de nossas formas, nascemos com o direito de se olhar no espelho tendo a certeza de que não somos apenas objetos de desejo, antes sentimos desejo e procuramos viver em paz. A maioria de nós não tem a ambição de vender cerveja ou de permanecer pela eternidade jovens, queremos apenas viver em paz sem ninguém para nos dizer como deveríamos ser.

QUE POSSAMOS EXERCER O DIREITO DE SERMOS ÚNICAS.

terça-feira, outubro 18, 2011

Medo

Fonte: danseMacabro


Qual é o seu maior medo? Ter que assumir quem eu realmente sou.
Tinha medo de dormir, pois achava que cada hora de sono era uma aproximação de sua morte, outro temor era ficar sozinha, por isso sempre sorria e procurava estar com alguém ao seu lado.

Mas qual era o sentido daquela vida, tão limitada e dependente do carinho de outros? Até onde aquela podia ser considerada uma boa forma de se considerar viva?

- Desde que eu respire e todos gostem de mim, sei que sempre serei feliz.

Não, seu mau nunca foi ter beleza, antes era confiar que somente isso poderia fazê-la feliz. Quando criança, ser bonita sempre dera certo, porque a vida adulta também não podia ser mais suave?

Crescer, minha menina é mais duro que isso, por isso que todas as noites, quando Morpheu se esgueirava até sua cabeceira, sentia calafrios e tentava não dormir, pois sabia que não tinha a capacidade de sonhar, tudo o que conseguia ter eram pesadelos, tão duros e tortuosos que todas as madrugadas acordava gritando e chamando por alguém que a socorre-se. o fato era que não tinha ninguém quando mais precisava se via sozinha e entre lágrimas escolhia sua melhor roupa para no dia seguinte tentar ser feliz.

- Morpheu, meu caro irmão, não gosta dessa menina? - Perguntava a morte desconfiada como sempre.

- Ao contrário. se pudesse fazia ela dormir eternamente para sempre ter ela em meus braços, mas o fato é que não posso dar belos sonhos a quem não sabe o que fazer com eles.

E assim, imaginava a menina, Morpheu também era um dos homens que a amavam, que com ela sonhavam e queriam viver, o fato é que de tanto esperar o príncipe encantado e não dormir bem, acabou por morrer sozinha. A Morte quando a encontrou arrastou-a sorrindo dizendo:

- Esse é só o inicio do seu eterno pesadelo.

E você do que tem medo? Se é de ficar só nunca pareça muito feliz, as pessoas podem realmente acreditar em ti.

segunda-feira, setembro 19, 2011

Minha Sorte


"Se eu sentir frio,eu fico acordado, fico ao seu lado até não ter vento,
folhas jogadas, minhas pegadas, vão caminhando até você.."
(Frio - Monique Kessous)

Mas o que é a sorte, afinal? A minha sorte foi me deixar perder, para só assim te conhecer e poder me encontrar.
Tenho a sorte de um amor tranquilo pela manhã, intenso na solidão dos teus braços, um sentimento seguro que me dá chão quando me sinto cansada demais com as exigências da vida que corre como se não existisse o amanhã. Desde que te conheci, vivo assim, contando os dias para que as horas logo se passem e eu possa te encontrar, seja para bater um papo ou simplesmente ficar em teus braços, cada dia mais vou entendendo que o importante é simplesmente estar junto de ti, e quando os compromissos não deixam, mesmo assim posso te sentir em mim, no meio do apressado dos meus passos.
Para alguns a sorte é dinheiro, para outros o prazer, há os que acreditam no poder dos títulos e outros que a sorte é sofrer, pois assim tornam-se fortes para poder amadurecer. A minha sorte foi me atirar de cabeça na vida, saindo do fundo e me erguendo ao mais alto do meu ser só para poder enxergar, que na vida não há topo que se possa alcançar sozinho, sem a companhia de alguém que torne nossa vida especial.
Meu amuleto, meu trevo de quatro folhas, o vento que brinca com meus cabelos e me faz sorrir, tudo encontro agora em mim e no mundo de possibilidades que só seu amor de verdade foi capaz de me trazer, fazendo com que eu aprendesse que o amor não tem que ser tormenta para se sentir, antes é algo que nos traz paz e nos faz feliz só pelo simples fato de ser simplesmente amor.


quarta-feira, agosto 31, 2011

Iluminada


Quando eu era pequena vivia em uma casa grande, escura e fria, mesmo assim minha infância fazia com que os dias fossem todos suaves. Não era o que as pessoas consideram uma criança feliz mas, afinal, o que é ser feliz senão uma das nossas utopias?
Vivia num tempo onde não existiam crianças, apenas pequenos adultos que tinham suas próprias obrigações e ambições, na ansia de viver algumas horas de lazer, inventava brinquedos com o que encontrava e assim podia me desligar daquele mundo tão pesado e adulto.
Num desses dias encantados, encontrei uma lanterna diferente, era tão bonita, redonda, com elas nas mãos me sentia segurando o mundo e com ele uma coleção de oportunidades e caminhos. Girei ela de um lado para o outro, dedinhando seus espaços me imaginava pulando de um canto ao outro do mundo, conhecendo tudo o que minah imaginação podia criar e desejar.
Era tão bom ter aquele objeto em mãos, melhor ainda foi conseguir acende-lo, fazendo com que a sua luz iluminasse meu rosto. Naquele dia, com a luz nos olhos foi que fiz uma grande descoberta: - Tenho um rosto.
E com ele um novo sonho: Me acender para vida.


segunda-feira, agosto 29, 2011

O Livro

Á Graça Graúna

Ganhei um livro...

Mais um amontoado de palavras ao longo de várias páginas para minha coleção. Ele cheira a novo, novidade, ele agora faz parte daquela beleza escondida que eu consigo enxergar na minha estante a todo instante em que resolvo me entregar a um novo mundo que as páginas dos livros sempre me trouxeram.

Sou agora sorriso, alegria, emoção, afinal, um livro é sempre uma passagem só de ida em busca do conhecimento. Além disso, eles sempre serão parte do que sou e do que me faz sentir feliz.

Ele tem cheiro de novo, não de fumaça, ele é quente de carinho e não de fogo, um simples livro vem me traze o reinício de uma biblioteca repleta de sonhos que um dia perdi. Nela tinham livros já lidos, alguns não visitados, em meio a eles tantos trabalhos que na infância escrevi. Eram dicionários, livros de literatura, religiosos, sociológicos, de poemas, infantis, cartilhas, cartas. Eram livros dados, roubados, comprados, eram todos meus e agora não são mais nada além de poeira e carvão.

Quando ganhei um livro e fui chamada de forte, senti as lágrimas dentro de mim com uma forte vontade de sair, lembrei do primeiro livro que consegui ler, daqueles que ganhei e gostava da capa, dos que me emocionaram, dos que me entediaram, de todos que meus olhos e mãos já tocaram. No momento em que fui chamada de forte, sentia-me tão fraca, com uma fraqueza própria da criança que ganha um presente a muito esperado.

Ganhei um livro, ganhei meu primeiro brinquedo, ganhei o recomeço de uma biblioteca de sonhos que num dia triste perdi, mas que a vida irá me trazer novamente, exemplar por exemplar, pois tenho a vida inteira para empilhar meus sonhos numa estante que será doada um dia, como herança de histórias para o meu filho.

Ganhei um livro e com ele um motivo para sorrir, sempre.

terça-feira, agosto 09, 2011

Quem Cresce?

(Acervo Próprio)

Se eu voltar mentalmente há cinco anos atrás,poderia lhes dizer tantas coisas. Sendo otimista poderia lhes dizer que minha vida estava passando por uma doce transformação, na ótica pessimista poderia lhes dizer que a essa altura começava a sentir as dores mais horriveis que já senti na minha vida. Contudo, e como sou franca, prefiro lhes falar a verdade: EU SIMPLESMENTE NÃO SABIA O QUE SENTIR OU ESPERAR. Tanto que até sorri na hora em que finalmente tiraram meu filho de mim, mas quando fiquei a sós com ele um certo pânico tomou conta de mim e tudo o que eu consegui fazer, foi tirar o cobertor dele, passar minhas mãos pelo seu pequeno corpo observando como ele era perfeito e real, nesse instante ele agarrou meu dedo abriu os olhos e olhou bem para mim, quase chorei (não sei por que) e disse para o pequeno:

- Pois é, agora somos nós dois.


Acho que foi nesse momento em que a realidade me tocou mais profundamente e eu pude então refletir sobre o que seria minha vida dali para frente, visto que todo o tempo de gravidez me deixou meio anestesiada, era como se meu corpo mudasse drasticamente, mas eu não sabia explicar o porque e nem me importava em buscar resposta, era tudo rápido, violento, doce e novo para mim.

Pois é, cinco anos se passaram desde então, eu já tenho um filho de cinco anos, este que acreditava que nunca iria ter. E até hoje só pude fazer uma coisa realmente certa com o meu filho, cumprer com as minhas primeiras palavras a ele: Agora somos nós dois...

Cronologicamente um período de tempo muito curto, emocionalmente muito denso e cheio de mudanças pelas quais passamos o tempo todo juntos, pois esse é um compromisso que assumi para a vida inteira. Posso não vir a ser (e nem quero) uma mãe perfeita, visto que isso não existe, mas o papel de ser mãe e fazer meu filho crescer é todo meu, apesar de as vezes quando eu paro eu fico a refletir, nessa relação quem mesmo é que cresce?

Já não sou a mesma de cinco anos atrás, bem como meu filho não é mais um pequeno bebê, cada dia mais ele caminha rumo a sua independência, e eu o acompanho sempre tentado ampara-lo, mostrando que em meus braços ele nunca encontrará prisão, apenas a força de pequenas mãos que o ajudaram a crescer.


A MEU PEQUENO TODO O MEU AMOR E FRANQUEZA, POIS ISSO É O QUE HÁ DE MAIS BELO EM MIM.

domingo, julho 24, 2011

LIVRO RESGATA ORIGEM MACABRA DOS CONTOS DE FADAS


Histórias Envenenadas - Contos de Fadas de Terror,

escrito por autores em início de carreira, será lançado em agosto

Conhecemos contos de fadas como histórias cheias de magia e fantasia que costumamos contar para crianças. O que muitos não sabem é que eles foram concebidos como entretenimento para adultos e que, em sua forma original, traziam fortes doses de adultério, incesto, canibalismo e mortes hediondas. Com o tempo, diversos autores os suavizaram e acrescentaram lições de moral.

Em Histórias Envenenadas, escritores contemporâneos resgataram todo o horror dos contos de fadas originais em releituras de histórias tradicionais ou novos enredos, que não farão nenhuma criança dormir, mas certamente farão você perder o sono.

Os escritores Chico Anes e Ricardo Ragazzo, organizadores do livro, analisaram mais de cem contos para chegar nos trinta textos que compõem o livro, que será lançado no próximo dia 06 de agosto, quando a Andross Editora completará sete anos.

A casa editorial é especializada na publicação de coletâneas de novos escritores. Surgiu em 2004, dentro dos corredores da Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo, como uma necessidade de publicar textos dos alunos do curso de Letras. A experiência deu tão certo que logo atravessou os muros da instituição e passou a publicar textos de outros escritores que não acadêmicos da universidade. De lá para cá, publicou sessenta livros, com mais de mil autores de todos os estados brasileiros e de vários países de todos os continentes.

Além do Histórias Envenenadas - Contos de Fadas de Terror, outros quatro livros serão lançados no evento. São eles:

· Moedas para o Barqueiro - Contos sobre a Morte - Volume II

· Próxima Estação - Contos de trem, metrô e outros transportes urbanos.

· Universo Paulistano - Contos de uma cidade que nunca dorme - Vol. III

· Elas Escrevem - Contos e Crônicas - Volume II

No evento, o público poderá adquirir outros títulos da editora ao preço promocional de aniversário de R$ 4,90.

SERVIÇO

Lançamento do livro Histórias Envenenadas - Contos de Fadas de Terror e aniversário da Andross Editora (Entrada grátis)

Data: 06/08/2011, das 15h às 20h

Local: China Trade Center- Rua Pamplona, 518, São Paulo, SP (Próximo à estação Trianon Masp do metrô)

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:

Cesar Mancini

(11) 6731-6191

(11) 8217-6191

cesar@andross.com.br

sexta-feira, junho 03, 2011

O Boneco

Foto: Acervo Próprio

- Ele não é fofo?
- Sim, sim, muito lindo nosso bonequinho
-Ele tem os olhos tão expressivos, o nariz dele é tão bem feitinho. o rosto é tão bonito, parece que foi desenhado a mão.
- E olha só essa roupinha, que linda. Ele sempre fica bem de verde.
- Pois é, realmente é nosso bonequinho.

Mas ele não era um boneco , ao contrário de Pinóquio ele já era um menino de verdade que não precisa provar ser bom, ele era bom, esperto e verdadeiro e como humano ele tinha suas necessidades: comia, vestia, ficava doente, brincava, fazia amizade, precisava de carinho e atenção para se desenvolver. Contudo, ao olhar para ele tudo o que conseguiam ver era uma bonita figura, quase decorativa, para o ambiente, tanto que o crescer incomodava, as necessidades reais eram insuportáveis para se encaradas como grandes verdades.
Pois é, o boneco estava crescendo e ao crescer notava o que acontecia ao seu redor...

- Moça, poderia me passar algumas informações sobre esse boneco?
- Claro, ele é o meu preferido, sei tudo sobre ele. Pode perguntar qualquer coisa que eu saberei responder.
- Você sabe qual é a cor preferida dele? Qual a comida que ele mais gosta? Quantos anos tinha quando aprendeu a andar? Qual é o seu brinquedo favorito? Como ele gosta de dormir? O que ele já aprendeu na escola? Qual o nome dos seus amigos? Saberia me dizer qual é a quantia gasta mensalmente para alimentá-lo, vesti-lo? O que ele prefere, cinema ou teatro? Qual tipo de música ele mais gosta? Me diga, você sabe mais do que o teus olhos podem ver?

Pausa, deixa cair uma lágrima...

-Não é triste ver ele crescer?
-Esse é só o dinal da minha vitória diária.Perceber que a cada novo dia esse boneco ganha mais vida e mostra a todos o quanto é um menino de verdade que um dia será um grande homem sem sua influência, sem suas marcas. sem você.
Porque crianças não esperam, elas são como ervas daninhas, vão crescendo aceleradamente, destruindo toda e qualquer paisagem encantada que podemos criar sobre elas ou para elas. Enquanto você idealiza um boneco eternamente preso dentro de uma caixa impedido de crescer, eu vejo o desabrochar de um menino que nunca vai passar a vida tentando encontrar a Terra do Nunca, onde os sonhos não se realizam por falta de coragem de lutar até o fim por eles.
Eu crio um ser que vai sim chorar, sofrer, mais que também vai crescer, conquistar, amar e se realizar, pois esse meu pequeno bonequinho um dia saberá que a vida é um eterno caminhar ao topo de si e não dentro de circulos fechados que só existem no seu imaginário.

- E o boneco?
- Nunca existiu, favor passe numa loja e compre um para você.

quinta-feira, junho 02, 2011

Apresentando Meu Novo Blog

A todos os meus leitores, seguidores e curiosos de plantão,

Venho aqui fazer um esclarecimento do porque tenho demorado tanto a postar por aqui e também fazer a todos um convite.Desde que voltei a estudar tenho ocupado muito do meu tempo com leituras para a minha pesquisa e sobre minha área de atuação profissional (para quem não sabe sou pedagoga e atualmente mestranda do curso de Educação), e isso faz com que eu me volte mais para outras discussões que não apenas as minhas criações literárias.
Pois bem, para não comprometer esse espaço com papos muito pedagógicos decidi criar um novo blog, o EDUCAÇÃO COTIDIANA onde eu posso iniciar essas discussões sobre a área, assim não abandono esse blog e volto a trazer a literatura simples e cotidiana que ele sempre trouxe.
Aos interessados na área passem por lá.


Como textos inicial você podem encontrar o post intitulado: CULTA OU POPULAR: QUAL É A SUA MÁSCARA? Os textos que seguem após esses foram retirados desse blog, ou seja, velhos conhecidos,mas que podem ser revisitados sempre.

Bom, fica aqui o convite para que voces saiam um pouco do meu UNIVERSO PARALELO e possam adentrar no meu UNIVERSO PROFISSIONAL.

sábado, maio 28, 2011

Postagem Meme

Recentemente recebi a seguinte proposta de uma das leitoras do meu blog, a Mary Farah, autora do blog Marycota Online , eu deveria utilizar os selinhos e memes que recebi para ilustrar uma brincadeira que esta circulando pela blogosfera atualmente. A Brincadeira é a seguinte: eu tenho que falar sobre sete coisas que ninguém sabe sobre mim para todos e em seguida tenho que responder um questionário que foi enviado junto com um selinho.
Bom, que a primeira brincadeira comece.

Com este selinho tenho que contar 7 coisas que ninguem sabe sobre mim.Bom, costumo ser bem honesta sobre tudo o que se passa bna minha vida, mais creio que para tantos que não me conhecem pessoalmente e até para alguns que me conhecem vai ser no mínimo interessante essas revelações.

1- Eu repeti a segunda série do ensino fundamental porque não sabia ler.
E com a vida é irônica, hoje sou não somente escritora como professora alfabetizadora, vai entender essa vida, né?

2- Até meus 10 anos quem cortava meu cabelo era meu pai.
Minhas fotos de infância com a franja torta estão ai para provar, além disso essa foi a época onde meu cabelo se mantinha sempre longo.

3- Tinha o hábito de roubar livros da biblioteca do bairro.
Mas como ficava com a consciência pesada, sempre fazia doações depois.

4- Eu já dei aulas de catequese.
Pois é, fazia isso junto com o meu pai quando tinha 18 anos, mas só durou com a primeira turma, depois as tias me expulsaram da pequena comunidade porque não me achavam muito boa influência.

5- Meu primeiro beijo aconteceu porque minhas amigas duvidaram que eu teria coragem.
Tinha então 14 anos e fiquei com tanta vergonha do rapaz depois que só ficava fugindo dele.

6- Eu nunca tive um amor de infância
Sabe aquelas paixonites que todos tem quando crianças? Pois é, eu nunca tive, e se um menino me elogiava demais batia nele.

7- Fugi da escola para assistir um show de Black Metal no centro da minha cidade.
O difícil foi voltar a tempo para a casa, claro que não consegui e fiquei de castigo por tempos em casa.
Agora, com este selinha, tenho que responder a um pequeno questionário que me foi proposto.

01. Pegue o livro mais perto de você, abra na página 18 e encontre a 4ª linha:
" ... a unidade de um ser e de se sentido". (do livro O Que é Ideologia - Marilena Chauí)

02. Estique seu braço esquerdo o mais longe que puder. O que você encontra?
Uma pilha de livros

03. Qual foi a última coisa que assistiu?
Um episódio de Dragon Ball Z com o Nick, meu filho

04. Sem olhar o relógio, que horas você acha que são?
01h15

05. Agora, olhe no relógio. Que horas são?
00h58

06. Sem contar o barulho do computador, o que mais está ouvindo?
Minha mãe cantando na cozinha enquanto lava louça

07. Quando foi a última vez que saiu? Onde foi?
Hoje a tarde fui em um Congresso

08. Antes de começar esse questionário, o que estava fazendo?
Bocejando enquanto checava o twitter.

09. O que tá vestindo?
Blusa de lã e calça jeans.

10. Você sonhou a noite passada?
Se sonhei não me lembro, pois capotei por exaustão.

11. Quando foi a última vez que você deu risada?
Há algumas horas atrás, conversando com a minha irmã

12. O que acha da pessoa que te indicou este desafio?
Uma moça simpática da qual não posso falar muito por ter conhecido recentemente

13. Viu alguma coisa esquisita há pouco tempo?
Por incrivel que pareça, hoje não.

14. Qual foi o último filme que você assistiu?
O Motoqueiro Fantasma

15. Se você se tornasse milionário da noite para o dia, o que compraria?
Uma casa para ter o que dar futuramente para o meu filho.

16. Uma coisa sobre você que eu não saiba.
Nunca me convide para comer, despesa na certa.

17. Seu estado de espírito agora.
Cansada modo HARD

18. Se você pudesse ser qualquer mulher famosa, qual seria?
Clarice Lispector.certamente.

19. Imagine que seu primeiro filho seja uma menina, como a chamaria?
Analuz

20. Imagine que seu primeiro filho seja um menino, como o chamaria?
NICHOLAS (rs)

21. Você pensa em morar fora?
Sim

22. O que você mais quer agora?
Tomar banho e dormir…

23. Qual a pessoa mais importante na sua vida?
Meu filho Nicholas

24. Qual seu sonho para curto prazo?
Conseguir realizar a minha pesquisa da melhor forma possível para merecer todos os créditos que me foram dados.

Bom, a brincadeira termina por aqui, comigo, é claro, pois tenho ainda que escolher algumas pessoas para continuarem com a brincadeira, então vamos lá:

Minha amiga Luana McCain dona do blog O Enigma do Guarda-roupa Essa vai ser pura provocação, só para ela fugir um pouco dos temas horripilantes. rs

E uma das minhas mais queridas leitoras a Bah dona do Bah Blog Porque ela é sempre tão sincera, vai ser legal ver essa brincadeirinha por lá.

Desculpe o longo post, mas pedido de leitor é sempre uma ordem. rs

segunda-feira, maio 23, 2011

Armadilha Materna

Acervo Próprio

Quando uso esse espaço para falar do meu filho, sempre acabo passando uma imagem maravilhosa sobre o que é ser mãe. Contudo, como tudo na vida a maternidade tem dois lados e, por vezes, as coisas se complicam, a gente acaba se frustando tentando cometer o menor numero de erros possiveis . E quando se é mãe e pai ao mesmo tempo essas dificuldades aumentam, não que eu não receba nenhum tipo de ajuda na criação do meu pequeno, muito menos me acho melhor que as mães casadas, mas ,as vezes, estar sozinha diante de uma criança é algo assustador, pois te faz ser o exemplo e o carrasco ao mesmo tempo sem folga para um lado só.
Por que iniciei essa discussão? Por um simples fato que esta me incomodando, meu pequeno esta demonstrando uma aversão imensa pela escola, desde o levantar ao ter que voltar na segunda-feira está fazendo ele peder cada dia mais o entusiasmo por este espaço. Sei que ele não esta tendo problemas na escola, já conversei com a professora que disse que tudo esta bem, já o questione sobre possíveis inimizades que possam fazer ele se desinterresar, mas nada, ele conversa e se relaciona bem até demais com seus amigos.

Depois de tanto investigar e fazer perguntas sobre o espaço escolar, decidi mudar de foco e fui analisar o que eu, enquanto mãe, estou fazendo para que isso aconteça. Quando estavamos brincando no quarto perguntei:


- Nick, por que você não gosta da escola?


- É porque toda vez que eu estou lá eu fico longe de você...


Pois é, essa é a grande armadinha pela qual algumas mães solteiras passam. Ao mesmo tempo em que me sinto bem com o fato do meu pequeno gostar tanto de mim, sinto também que preciso fazer algo para que essa necessidade de estar ao meu lado em tempo integral passe, afinal, não crio o meu filho para mim, muito menos acredito na existência da terra do nunca, sei que o meu menino tem que crescer e se desapegar tanto de mim, mas a situação não deixa de ser desconfortável. A certeza de que vou frustrar ele faz meu coração doer, mas a necessidade de fazer isso para que ele entenda que a vida nem sempre pode correr do jeito que desejamos é maior. Prefiro sempre ser o carrasco para que no futuro ele tenha motivos para me agradecer.

Costumo comparar o momento do parto com uma mutilação, pois arrancamos a melhor parte de nós e jogamos no mundo para que ela cresça independente dos nossos desejos, e nesse momento sinto mais uma vez a dolorosa contração de saber que a cada empurrão rumo a autonomia que eu der no meu pequeno o afasta fisicamente de mim, mas se esse ato fazer com que ele possa crescer, já me sinto mais feliz mesmo em meio a tamanha confusão.

segunda-feira, maio 09, 2011

Estar



Acordar, trabalhar, estudar, cumprir a agenda do dia, tudo parece menos monotóno e cansativo quando você começa a contar os dias que faltam até o próximo encontro.
Estar apaixonada e não se sentir sozinha, mesmo quando distante, é uma das melhores sensações da vida. É como sentir que tudo, até a lágrima mais dolorida, valeu a pena, pois me preparou para que eu pudesse aceitar toda a beleza que estava por surgir na minha vida
Não precisar mais chorar, ganhar um abraço, terminar uma noite rindo e não indiferente e calada no escuro, poder se olhar no espelho sem se sentir nojenta e cansada... Tudo isso me faz tão bem que começo a pensar que antes eu não estava neste mundo, eu vivia por viver, contando as horas para que mais um dia acabasse e fosse menos um de dor na minha vida.

Começo a pensar que agora eu estou... Estou no mundo e para o mundo começo a ser mais eu para conseguir ser um pouco de você.

Antes eu estava pela metade e ainda me dividia em mil fragmentos para poder fazer a vida andar com passos mais ligeiros enganando a solidão pela falta de tempo vago. Hoje me sinto inteira pela certeza de me saber metade que se sente inteira apenas ao teu lado, apenas em seus braços.

Ser sua plena e totalmente me faz perceber que antes de te conhecer eu era no mundo, agora eu estou nesse mundo com a missão de lhe fazer sentir a mesma alegria e prazer que sinto ao estar com você


A Vlademir Dorigon, que a quatro meses consegue me fazer a cada dia uma mulher mais feliz. Te Amo.

sexta-feira, maio 06, 2011

O Primeiro Dia de Muitas Vidas



Hoje acordei com um sorriso renovado e com uma nova esperança no olhar, meus olhos que sempre mudaram de cor, hoje acordaram multicolor e olharam para o céu repletos de uma nova esperança.

O reconhecimento da união homo afetiva como estância familiar trouxe nova esperança a minha calada alma revolucionária, bem como me fez perceber os meus preconceitos em relação aos ministros que compõem o Supremo Tribunal Federal. Não deixou de ser bonito meu engano e mais belo ainda foi assistir nesses dois ultimos dias, pessoas que considerava preconceituosas reconhecendo que as mudanças na constituição são necessárias.

Por que tamanha alegria, visto que sou heterossexual?

Simples, nesse Brasil no qual estamos somos todos minorias, e quando uma parcela "pequena" da população conquista um direito básico não deixo de ficar alegre, pois a conquista se torna coletiva e a revolução mostrasse coerente, visto que conquistada pelo bom senso.

Sei que tal decisão pode ser vazia de todo esse encanto que me toma e que pode ser uma decisão unanime por seu caráter de pressão popular. Bem como o racismo é considerado criminoso e ainda tratamos tantos como "neguinhos", assim como a mulher não é mais considerada intelectualmente incapaz e ainda sim continua ganhando salários mais baixos e sofrendo maus tratos.

Vejo a decisão com bons olhos por saber que o seu simbolismo é de uma importância impar na evolução da nossa sociedade. Mesmo com a certeza de que hoje não acordamos menos preconceituosos e que ainda veremos muitas noticias de intolerância contra os homossexuais, não deixo de me alegrar, pois um primeiro passo foi dado e essa conquista ninguém faz nos tirar.

Aos poucos nos libertamos das amarras do passado e reconhecemos que o mundo e as pessoas mudam e isso nunca há de ser ruim.

Por todo o povo brasileiro, que entre milhões de pessoas continuam a ser minorias, olho hoje para os céus e sinto uma felicidade tamanha, pois hoje é o primeiro dia da história das vidas de tantos casais que podem se considerar finalmente livres para amar.

domingo, maio 01, 2011

Confusões - Discussão sobre o 1º de Maio


video


" Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo o que fizemos,

ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais..."

Como Nossos Pais -Belchior


Esse final de semana foi marcado por discussões e reflexões politicas das quais participei, sendo uma mais formal e a outra informal. Primeiro no sabádo, dia que antecedeu o dia do trabalho, fui para uma palestra com três lideres sindicais de diferentes sindicatos. Apesar do meu cansaço ocasionado pelo estudos, foi uma manhã proveitosa, contudo um tanto desanimadora, porque naquele momento, ao ouvir os palestrantes com suas opiniões tão divergentes, pude notar algo que já vem me incomodando há algum tempo: o fato da crise ideológica da esquerda, que se remete o tempo inteiro ao passado, esquecendo que a luta não pode mais ser travada do jeito que foi antes, afinal, os tempos mudaram, os dias também. Sei que não podemos esquecer nunca das lutas travadas no passado, mas não podemos esquecer que temos todo um futuro e que ver os sindicatos tão partidários dá um certo desânimo, afinal, como podemos pensar em um sindicato unificador se a maioria se divide no terreno de suas próprias vaidades e não por seu ideal coletivo.

No domingo acordei já era hora do almoço, meu pai então chegava da missa dos trabalhadores da qual ele participa todos os anos na Igreja Matriz de Sâo Bernardo do Campo. Ele entrou no meu quarto dizendo o quanto a missa foi boa, só que ele não entende a parte dos shows, por isso sempre volta para casa após a celebração. Depois do rápido bate papo ele me entregou um folheto que me chamou muito atenção para uma séria reflexão:

"Por que realizamos nossa missa de 1º de Maio na região do ABC?

Para homenagear a memória dos lutadores de 1886 e lembrar que a classe trabalhadora deve sempre continuar lutando por seus direitos, até conquistar vida digna e plena...

Essa parte do folheto me fez relembrar não só do debate do dia anterior, mas antes da razão pela qual meu pai um dia participou de greves, se filiou a um partido e ainda hoje participa de várias discussões politicas na nossa cidade: Ele ainda tem a consciência do poder coletivo.
Vivemos em tempos tão áridos, onde nos descaracterizamos como classe, no mundo do trabalho somos individuos, temos tanto medo de ser somente mais um número que a todo momento precisamos nos fazer notar como seres individuais, depois nos juntamos em grupos para reclamar dos estranhos rumos que nossa politica toma.

A dita esquerda sonhou tanto em chegar ao poder, que uma vez no poder começou a entrar em crise existencial. Afinal, o que fazer quando conseguimos realizar um dos nossos grandes sonhos? O mais lógico seria começar a sonhar com algo novo para a vida não perder o sentindo, contudo, o que noto em meio as dicussões da esquerda hoje em dia é a velha confirmação filosófica de que não sabemos ser livres, por isso não sabemos lidar com nossas grandes conquistas, porque elas nos pedem grandes responsabilidades. Triste fim para uma visão politica na qual acredito com tanto empenho, mas não deixa de ser verdadeiro.

Outra crise politica é essa insegurança direitista que, acostumada com as vitórias sobre tantos utópicos, com a derrota presidencial em mais uma campanha começou a se descaracterizar. Mostrar visíveis desse fato são as crises de um dos partidos de maior representação nessa linha politica, o PSDB, que começou a fazer propagandas(veja o video postado no inicio do blog) que lembram muito as feitas por seus opostos. A criação de novos partidos que são ideologicamente vazios, bem como a falta de um papel claro sobre a função da direita atual e sobre o fato de quem, hoje, pode ser considerado de direita?

Nesse primeiro de maio, dia que relembra lutas tão importantes que foram históricamente travadas, creio que o meu maior desejo seria poder acordar num país que respeita a sua história, mas tem a consciência de que o mundo evolui, e que esses velhos idealistas que estão a frente de tantos sindicatos e partidos contraditórios deveriam apostar numa máxima: na formação politica de jovens representantes da direita e da esquerda. Afinal, política é vida, e como toda vida segue um ciclo, nenhum de vocês, enquanto indíviduo, vai permanecer para sempre a frente das representações sociais.

- A qual movimento você pertence mesmo? - me perguntaram.

- A nenhum, sou apenas uma estudante de educação.

Penso que deveria ter respondido agora de outra forma: Represento o futuro por algum tempo, até que meu filho possa crescer e tomar o meu lugar.

quinta-feira, abril 21, 2011

Aceita




Não, eu não te peço, antes lhe ofereço. Então, por favor. aceita esse singelo ato de confiança.

Com um sorriso nos olhos estendeu as mãos para o rapaz oferecendo a ele uma flor, era uma dessas flores simples das quais a gente encontra no meio da rua ou em meio a qualquer mato crescido, contudo, naquele breve momento pareceu aos olhos do presenteado a flor mais rara e bela vista em toda a sua vida.

Com a flor nas mãos perguntou:

- E o que eu faço agora?

A garota, com um novo sorriso respondeu:

-Aceite, apenas.

Sorriu novamente com sinceridade nos olhos, beijo o moço e se foi. E naquele exato moneto ele descobriu o que era o amor.


Assim são os instantes mais significativos da nossa vida, terrivelmente simples. Nós que por medo, ou mesmo por um obscuro desejo de continuar vivendo em meio a solidão é que não conseguimos aproveitar as pequenas oferendas que a vida nos dá. Tentamos complicar o simples, deixamos de viver muitas coisas por medo, bem como é por ele que destruimos muitas de nossas mais belas conquistas.

Não, não queira viver sobre a ótica do medo, tenha paciência para aceitar que coisas boas acontecem até mesmo para quem se acostumou ao erro e ao sofrimento, só assim você estara pronto para aceitar os presentes que a vida tem para nos ofertar.


Se numa esquina alguém retribuir verdadeiramente o teu amor, aceita como quem acaba de receber a mais singela flor.

sexta-feira, abril 08, 2011

Educação em Luto

Como em todos os dias, hoje levantei ás 6h00 da manhã e me arrumei para levar o meu filho até a escola e enquanto vestia meu pequeno fiquei pensando nas mães das vitímas de Realengo que nunca mais vão se irritar com as crianças que nunca querem acordar, nunca mais caminharam até a porta da escola com seus filhos, ou até mesmo, nunca mais tomaram juntos o café da manhã apressado de quem se despede do filho enquanto eles entram na perua escolar.
Desde a decáda de 30, a imagem que a educação tenta nos vender é a de que sem educação não há futuro, pois somente atráves dela podemos mudar o rumo de nossas vidas. Mas, afinal, que educação estamos dando as nossas crianças e jovens que faz com que um caso tão barbáro ocorra em um país que até então nunca tinha vivenciado episódio tão tenebroso?
O jovem que cometeu tal ato insano sempre foi visto como um excelente aluno dentro da escola, talvez seja esse o primeiro erro do sistema, que ao se deparar com o dito "bom aluno" nunca presta atenção em suas reais necessidades, isso porque na educação ainda se acredita que o importante é desenvolver o lado cognitivo (saberes) deixando de lado tudo que possa parecer mais humano que o bom desempenho escolar.
Além disso as vítimas, em sua maioria, foram meninas, fato que não pode ser visto como casual e sim como premeditação, fazendo com que esse crime se transforma-se não apenas em uma fatalidade, antes acabou virando mais um crime contra a mulher, essa que lutou tanto para ter acesso a educação ao longo da história. Esse é o retrato de uma sociedade patriarcal e machista que faz com que meninas se transformem em mulheres cada dia mais cedo, que ensina as mesmas a criarem seus filhos homens dentro da lógica patriarcal e que marca a mulher com o eterno estigma do desejo pelo corpo feminino.
Sou solidária as lágrimas derramadas pela nossa presidenta Dilma Rousseff, que diante da fatalidade, em seu pronunciamente pediu por um minuto de silêncio e neste minuto deixou que as lágrimas tomassem conta de seus olhos. Isso ocorreu não somente pela sensibilidade feminina, mas antes porque ela, como um símbolo de vitória e conquista feminina, conseguiu ver o quão longe estamos de realmente nos livrar dessa herança patriarcal que faz com que a mulher se transforme em "coisa" não em um ser dotado de capacidade e inteligência para além da adiministração do lar e trato dos filhos. Sem querer levantar bandeiras partidárias, pois antes da figura me remeto a mulher que todos esquecem que existe para além da figura da autoridade de Dilma.
Não bastasse todos esses aspectos do crime, em meio as redes sociais o que mais houve foram afirmações preconceituosas vindas de pessoas que afirmavam que fatores religiosos influenciaram no atentado, alguns até cogitaram a hipótese do jovem ser adepto da religião muçulmana por causa das afirmações de alguns detalhes de sua carta suicida. Mas uma vez uma fatalidade foi utilizada para desencadear o preconceito velado de tantos, pois como poderia essa afirmação ser verdadeira quando a carta leva os nomes de Deus e Jesus? As pessoas tendem a aproveitar situações de crise para declarar seus preconceitos sem precedente.
A idéia do jovem certamente foi importada e inspirada no caso de COLUMBINE, contudo não é saudável globalizarmos também as paranóias e medos estrangeiros, afinal, nossa realidade é diferente e precisa ser analisada pela ótica da análise da sociedade brasileira e não do preconceito estrangeiro.
Outra afirmação que me deixou um tanto conturbada foi a de como o rapaz não tinha amigos e passava o tempo inteiro recluso em frente ao computador. Não podemos culpar a tecnologia e os meios de comunicação pela criação de tipicos sociopatas, antes temos que analisar o porque estamos deixando uma invenção que foi criada para ajudar o homem transformar as pessoas em máquinas que possuem duas vidas, uma no mundo real e outra nesse universo paralelo onde podemos, se desejarmos, nos transformar até mesmo em Deuses que ficam fatalmente marcados e chocados quando são atirados para viver em meio ao mundo real.
Crimes como o que ocorreu em Realengo me fazem sofrer como educadora, mãe e mulher que sou. Me fazem temer ao pensar no mundo que estamos criando para os nossos filhos e para as próximas gerações.
Para terminar esse texto deixo aqui um trecho do livro Educação e Emancipação, que relata um entrevista de um dos Filósofos da Escola de Frankfurt Theodor W. Adorno, que fala sobre a Educação após Auschwitz (campo de concentração Alemão). Como alemão e judeu fa uma reflexão sobre o que temos que fazer para evitar tal atrocidade, e mesmo para aqueles que não pertencem a área da educação cabe compartilhar tal reflexão que tem um forte apelo a todo e qualquer ser humano:

"...se as pessoas não fossem profundamente indiferentes em relação ao que acontece com todas as outras, excetuando o punhado com que mantêm vínculos estreitos e possivelmente por intermédio de alguns interesses concretos, então Auschwitzs não teria sido possível, as pessoas não o teriam aceito''. (ADORNO,p.134)

Em outras palavras, não é hora de apenas lamentar pelo o que aconteceu, antes é hora de lutarmos para que esse tipo de evento não aconteça nunca mais em nosso país.

domingo, abril 03, 2011

Bolsonaro no País da Hipocrisia

video

Era uma vez um jovem senhor de velhos costumes que vivia num pequeno planetinha chamado Barbárie666. Nesse pequeno planeta não existiam minorias, as pessoas eram todas brancas, magras, sorridentes e heterossexuais. Não havia corrupção, a família, tradição e a religião eram valores respeitados por todos que temiam a Deus e respeitavam sua Pátria acima de todas as coisas. Todas as tardes ao lado da sua família , o jovem senhor olhava opor do sol e via que tudo aquilo era bom.
Um dia, para seu desespero, enquanto o jovem senhor marchava com seu exército ele se distraiu enquanto observava um coelho que fumava um baseado, como bom capitão ele tentou pegar o coelho para aplicar a devida medida disciplinar, foi quando escorregou e caiu num buraco negro que o levou diretamente para um universo paralelo onde não havia apenas uma raça e sim raças que viviam juntas, homens andavam de mãos dadas com outros homens, mulheres não cuidavam mais dos seus maridos, os filhos não seguiam os sonhos de seus pais, antes construíam seus próprios caminhos. Não existia militares no poder, o que havia ali era a chamada democracia e para que tudo fosse mais insuportável uma mulher, veja só meu Deus, uma mulher estava no poder daquele imenso e tenebroso universo.
Tudo era assustador, o jovem senhor sentia que precisava escapar dali para voltar a viver feliz no seu mundo de perfeição e disciplina. Como ele era muito inteligente sabia que só conseguiria sair dali se fingisse viver em meio aquela gente tão insuportável e diferente, por isso ele resolveu fingir que trabalhava por eles e aos poucos ensinava aquele povo todo, através de seus discursos, o que era viver conforme as regras da tradição, justiça e família. Seu jeito de falar era tão perturbador e diferente que muitos começaram a admirá-lo, e foi assim que ,vendendo a imagem do que seria a perfeição, o jovem senhor se elegeu com 120 mil votos de um povo que, não querendo se declarar preconceituoso, adotava aquela figura como alivio de suas frustrações.
Tudo finalmente corria bem e o jovem senhor já podia avistar, ao longe, o velho buraco negro por onde havia entrado naquele mundo sombrio, mas quando ele pensou estar perto do fim algo inusitado aconteceu: Ele falou a verdade para aquele povo.
A partir daquele dia todos os que o apoiavam se esconderam, deixando que o jovem senhor ficasse preso para sempre em meio ao país da hipocrisia. Sem chances de voltar para o seu planetinha perfeito, o jovem senhor foi infeliz para sempre, vivendo preso em sua mente dentro das regras de um planeta que para ele nunca mais seria verdade.

************************************************************************************

A todos aqueles que desprezam a conduta antiética e desumana de Jair Bolsonaro e a todos os que concederam a ele seus votos.