Páginas

quinta-feira, janeiro 08, 2015

Horizonte de Mim

Dedicado ao meu marido Vlademir, que me fez reaprender a gostar de mim.
Isso foi tudo o que aconteceu na minha cabeça, quando decidi te conhecer.

Dezembro de 2010....
Engraçado como a gente se acostuma com tudo, até com aquilo que não nos faz bem. Finais de ano sempre abrem minhas feridas e jogam sal em cima das minhas esperanças, porque todo ano eu escolho me renovar e por isso mesmo mato o que eu era para começar a ser o melhor que eu posso.
Voltar naquela praia e vislumbrar mais vez aquele belo horizonte, naquele local onde eu fui feliz por sete dias, esses que me roubaram anos de vida. Eu precisava daquele sol na pele, sentir minha cor morena brilhar com a alegria de se mostrar aos céus. Tinha necessidade de entrar naquele mar sentir a água salgada temperando meu corpo e levando para longe toda vergonha escondida na carne, todo o suor derramado em vão, bem como cada lágrima que agora parecia nunca ter feito parte de mim. Eu tinha necessidade de tudo aquilo, só não precisava mais de você, se é que um dia eu realmente precisei.
Alguns amores sofridos acabam na cama, outros com um até logo que teme o adeus, o meu acabava ali na praia com o gosto de algo que nunca existiu. Essa ideia que outrora me fizera chorar agora vinha como brisa aliviar o meu coração, era como se eu tivesse me livrado de uma prisão onde eu escolhi me prender.
- Acho que não importa o que aconteça, nós sempre vamos terminar juntos.
No dia em que ouvi isso de sua boca todo meu sentimento morreu, e neste instante deixei de te amar, só tua vaidade não percebeu...

Meia-noite, é Natal, recebo uma mensagem, a angustia me invade e a unica coisa que consigo pensar: - Espero que não seja ele.
E não era ele, meu coração palpitou, tentei responder, nada, sem créditos. Deitada dentro da barraca, olhando para o teto enquanto meu filho dormia pensava naquela mensagem, daquela pessoa que mal conhecia, me chamava de senhorita e me tratava como uma dama. Eu achava isso engraçado,estava tão remendada em mil pedaços , mas você não me via aos trapos, conseguia enxergar para além das minhas palavras e isso me fazia querer estar com você, me fazia querer te olhar nos olhos nem que fosse para agradecer todo o tempo perdido com alguém tão perfeitamente ferido.

 8 de Janeiro de 2011- Os dias se passaram, malas prontas é hora de partir e me despedir daquele belo lugar que um dia me fez sacrificar três anos da minha vida na esperança da repetição de sete dias que, ao teu lado, nunca chegaram. 
No caminho para casa olhava para o meu celular, relia aquela simples mensagem e tinha vontade de encontrar logo com o destinatário olhar em seus olhos e dizer: Obrigada por entrar na minha vida tão naturalmente.
Chegando em casa, liguei para você, marcado encontro para o dia seguinte, pensava em tudo que havia deixado e do qual eu consegui me livrar, agradecia por saber que estava pronta para recomeçar a viver minha vida do jeito que agora eu escolhia sem precisar pisar ou machucar ninguém, livre de alma e coração para lhe deixar entrar. Naquele noite depois de conversarmos dormi de exaustão, sonhei que sentia o toque da suas mãos nas minhas, te olhava nos olhos e com um belo sorriso dizia:

- Estou pronta, me ajuda a escrever uma história a quatro mão

terça-feira, janeiro 06, 2015

Sobre Espelhos Turvos

Serei eu essa imagem que o espelho reflete, ou sou algo além do que os meus olhos podem ver?
Como e duro se olhar e não se enxergar, todos os dias lutar contra demônios interiores que sempre lhe apontam o dedo no rosto e dizem:
- Você poderia ser melhor.
Esse dilema não pertence apenas a uma garota, pertence a todas, pois o fato de ser mulher lhe dá a obrigação de ser perfeita aos olhos dos outros, e isso e demasiadamente desumano.
Quando me olho no espelho não consigo gostar do que vejo, tenho tantos espectros de palavras mal ditas, que até hoje Mr pergunto:
- Será que as pessoas realmente não sabem o poder que tem suas palavras? Elas realmente não percebem que a brincadeira feita pode se tornar a cruz de uma vida.
Quando adolescente tinha vontade de fazer cosplay, mais dai um amigo brincalhão me disse: - Só se for de Pocahontas.
De fato, a cor da minha pele e um tanto diferente, sou uma mistura de etnias fantástica e, antes disso, nunca senti vergonha desse fato. Agora já adulta, começo aos poucos lutar contra isso e até ensaio iniciar esse hobby, mas a critica sempre volta leve em mim e eu sempre me vejo perdida para escolher o personagem para fazer.
Ainda jovem sempre ouvia piadas sobre o defeito que tenho em um dos joelhos, logo saias e shorts nunca fizeram parte da minha vida, até o dia em que, aos 19 anos enquanto eu desfilava alguém disse: - Pernas bonitas e teu andar acaba se tornando único. Passei a ser mais feminina, mas ainda hoje, aos 30, tenho ressalvas em mostrar as pernas e virar  só pernas em meio aos outros.
Sempre fui magra, e mesmo após duas gestações, tenho o corpo muito harmônico, mesmo assim de uns tempos para cá está difícil me olhar ni espelho e gostar do que vejo. Seria crise da idade? Não, a minha alto imagem tão distorcida foi construída ao longo de anos de opiniões negativas, e agora que a vida pessoal está tranquila olho no espelho e vejo todas essas feridas abertas com o tempo e a maldade das pessoas e penso: - Por que fizeram isso comigo?
Olho para a minha filha tão linda e desejo profundamente que ela não passe por isso e que viva num mundo de pessoas que pensam o quanto suas palavras podem machucar. Mas sei que não posso lutar as batalhas dela, e isso me faz abrir essas feridas, para aos poucos curar todas elas e poder enxergar no espelho um alguém que me agrade e seja forte suficiente para ensinar a minha pequena que não importa o quanto a vida e os outros possam te machucar, o importante  e manter sempre vivo dentro de si aquele pedaço que quase ninguém vê, que fica escondido bem no cantinho dos olhos  e guarda a beleza do que realmente somos.
A você, minha cara amiga, que sofre com essas feridas saiba que todas essas imagens do passado vão acabar e um dia ainda, juntas, poderemos mostrar s todos o que realmente se deve enxergar na aparência de uma mulher.

segunda-feira, dezembro 15, 2014

Ausência

Já disse isso mais de uma vez, mas parir é como ser mutilada, depois de horas de dor nos despedimos de uma parte tão bonita da gente que nunca mais vai nos pertencer. Ser mãe é um eterno aprender a perder e se orgulhar por isso.
Mesmo tendo essa consciência não deixo de sentir a falta que meu filho me faz quando não esta ao meu lado, um pouco do que sou fica de luto toda vez que preciso ficar longe dele. Contudo abro as portas para que ele sempre possa transitar por mundos diferentes, passando por experiências das quais eu não posso priva-lo, pois isso não seria amor, apenas o puro e sincero egoismo materno que algumas mães nunca conseguem superar e por isso temos a impressão de que alguns filhos nunca crescem.
Mas meu filho vai crescer, vai ser o melhor homem que ele puder, disso eu tenho certeza, pois é por isso que luto para que ele possa ser o que queira sem a marca da minha doce e singela arrogância materna de achar que eu sou o bastante para ele.
A única coisa que sempre peço e para que ele nunca sofra antes da hora de sofrer, pois não me iludo com uma vida sem sofrimento para os que amam, afinal, a vida é cheia de pedras e são as formas que escolhemos para superar elas que faz com que nos tornemos as pessoas que escolhemos ser. 
Essa ausência que sinto, com os olhos grudados ao relógio apenas simbolizam o grande amor e necessidade que tenho de estar ao lado do meu filho, dividindo momentos e a vida com ele, pois desde o dia em que seus pequenos olhos me olharam pela primeira vez, tive a nítida certeza que iria querer estar ao lado dele por toda minha vida. 
Logo essa ausência na verdade somente é a presença que nunca vai me abandonar, visto que és parte de mim.

Entre Livros


Em memória de Edson Bueno de Camargo

Onde mora a memória do poeta? Quando ele se vai podemos encontra-lo em suas letras, perdida entre livros tua essência que sempre e tão bem me encantou. Entre livros numa biblioteca a certeza de que quando a saudade apertar naquele espaço eu sempre vou lhe encontrar.
Lembro do dia em que te conheci, tinha então quinze anos e toda energia do mundo, estava triste na porta de uma biblioteca ouvindo musica numa tristeza que mal cabia em mim. Vi você se aproximando e depois que passastes por mim fiz a seguinte obsevação:
- Esse pensa que é Fernando Pessoa, com esse chápeu preto ridiculamente grande. - ri com meu amigo e voltamos a ouvir musica.
Mas foi naquele sarau que, mesmo em meio a tantas poesias, escolhestes logo a minha para elogiar. Aquele ato mudou algo dentro de mim, me envergonhei de ter pensado mau de ti, e mesmo decidida a nunca mais escrever poesias, prometi que nunca deixaria de escrever.

Quantos anos se passaram, me vejo em meio a essa biblioteca, que pode não ser a mesma em que nos conhecemos, mas ela esta repleta de você. Decorado com tuas letras, com tuas fotos, tua presença esta no toque suave da flauta transversal que faz as lágrimas chegarem aos meus olhos. Mas a lembrança de ti é sempre boa, delicada e cheia de risadas. E naquele instante em que o pano desce e leio o seu nome na porta penso e tenho em mim a nítida certeza: Não podia existir melhor homenagem em sua memória.
Olho para o chão, minha filha pequena beija tua foto e aponta para o avô que ela sempre vai se lembrar, ergo os olhos e pela janela entram os últimos raios do sol, mais um belo por do sol na cidade de sua vida e coração, os raios iluminam teu nome na porta e uma felicidade aos poucos invade meu coração ainda triste por tua ausência, pois entre esses livros sinto tua presença e por esses caminhos mais uma vez a promessa de nunca parar de escrever, pois assim sempre estaremos juntos no meio de um sarau repleto de musica, poesia e palavras bonitas.
Obrigada por ter feito parte da história de minha vida.



quarta-feira, novembro 05, 2014

Flor Vermelha


Levo sempre comigo uma flor vermelha, em cada uma de suas pétalas deposito um sonho, desejos de um futuro melhor.
Essa flor bonita que nem todos conseguem enxergar, as vezes me fere com seus longos espinhos, mas sempre me fortalece com o seu perfume. pois tem a fragância da consciência que nunca perco.
Quando semente ela viajou até mim através do exemplo de queridos que fizeram com que a menina que nascia num tempo de esperança crescesse com o nome de alegria e com o sonho de tantos que lutaram por dias mais claros e cheios de vozes.
Tenho o dever de representar o que passou, mas de fazer vir um futuro melhor através da minha simples existência, afinal,se não fosse para crescer na esperança e evoluir que sentido teria a vida? Se voltar para trás fosse um caminho aceitável porque as setas apontariam para frente traçando o presente rumo ao futuro.
Mesmo carregando comigo algo tão bonito, não louvo meu passado, não cultuo um futuro que não seja regado ao agradecimento pelo presente momento que vivo agora, com todas as dificuldades e dores, pra frente é o meu caminho. Minhas mãos sempre estão livres para se estender a todos os companheiros que queiram me seguir no dia em que falar de flores torne-se um habito tão natural, quando dar as mãos no gesto de cumprimentar.
Se sou utópica e idealista? Certamente sou, e não poderia ser diferente, tenho em mim o espirito do poeta que mesmo sem noções de métrica ou rima, insiste em lutar pela beleza que se pode encontrar na vida.
Desejo flores em seus corações.

terça-feira, outubro 28, 2014

Ao Que Rema



 Em memória de Edson Bueno de Camargo

Através da palavra eternizada, do ideal semeado, da fé na luta que nunca acaba, podemos dar fim a uma jornada, e mesmo assim continuarmos vivos.
Um dia nos encontraremos do outro lado desse rio.

Honro a memória de quem, por amizade, me fez encontrar minha felicidade. Que os Deuses do Norte te recebam em teus braços, meu caro amigo e poeta.

quarta-feira, outubro 15, 2014

Monólogo Sobre a Educação



Quem tem coragem de se levantar e declarar-se contra a educação, ou mesmo questionar a sua importância para a nossa sociedade?
Hoje em dia esse virou mais um discurso moral, pois se alguém admite que é contra a educação de todos, esta que é garantida por lei a todo cidadão, a pessoa pode ser vista com maus olhos dentro da sociedade, por ser uma pessoa cruel. E como atualmente vivemos na sociedade da sub-celebridades onde a aparência importa mais que caráter, é um tanto perigoso levantar essa bandeira.
Mais a pergunta que faço é, o que fazem as pessoas quando olham com desprezo para uma escola publica, quando perguntam para um professor se ele só dá aula ou também trabalha? O que acontece com a pessoa considerada inteligente que decide seguir como carreira o magistério e acaba por ouvir: - Nossa, mas você é tão inteligente, porque logo professor?
Ou mesmo porque a preocupação na criação de tantos cursos técnicos enquanto não tomam nenhuma medida para que cresça a procura por cursos de licenciatura? Porque o crescente numero de mestrados profissionais em lugar do mestrado acadêmico?
Todas essas são questões que deveriam estar na pauta de preocupação de qualquer cidadão de bem que se diz no minimo politizado, e não somente agora em ano eleitoral, porque politica se faz todos os dias. porque quando ensinamos para os nossos filhos que eles devem manter uma rotina saudável de vida estamos fazendo politica. Mas isso é um outro assunto para se debater.
Gostaria de ver a profissão docente valorizada, e não falo de ganhar presente no dia dos professores, antes digo de levarem em consideração que trabalhar diretamente com o ser humano é algo deveras dificil, ainda mais numa sociedade que se esqueceu que os professores ensinam e não educam. Afinal, eu só tenho o direito de educar os meus filhos e a mim mesma ao longo da minha vida de acordo com os meus valores éticos, com o que eu entendo por moral. 
Já a troca de conhecimento, essa faço com gosto, debato sobre qualquer assunto, afinal um fato sobre os professores é que eles sempre estão dispostos a aprender, logo, se fossem mais valorizados como profissionais realmente importantes para a sociedade, eles conseguiriam exercer sua função com maior aproveitamento e qualidade para sociedade.
Mas nos tornamos pequenos empresários, dentro da sala sempre estamos preocupados com a porcentagem de fracassos que podemos obter e quanto de sucesso conseguimos alcançar, afinal, se batermos a meta ganhamos uma melhor remuneração, e assim como numa empresa esquecemos que por trás de nossos números existem pessoas que, por vezes, nunca se recuperam de seus fracassos individuais e acabam se tornando os pequenos fracassados pelos quais ninguém se responsabiliza.
Nesse dia dos professores, acima de tudo, gostaria de poder estar dentro de uma sala de aula, mas como no momento não posso, pelo menos reflito sobre minha profissão e sonho com o dia em que poderei trabalhar com o mínimo de dignidade que mereço como profissional. Espero que o espirito desse dia torne-se rotina e que todo professor possa ser lembrado como um dos profissionais mais importantes para a sociedade, mesmo que atualmente não tenhamos nem ideia de que homem queremos formar.