Páginas

sexta-feira, junho 27, 2014

Intimidade Feminina

Porque quando te vejo sempre penso: por que gosto tanto assim de ti?
Deve ser porque quando olho pra você consigo me enxergar. E como se olhar num espelho gigantesco com vários tons de dor e um pingo de tinta clara no fundo que esconde toa a essência e beleza que nunca vão roubar de nós.
Creio que o segredo a vida não está apenas em dividir alegrias, antes esta na capacidade de se superar e ser feliz. Quantas noites não choramos sozinhas ansiosas por um abraço de compreensão e ternura para nos acalentar, não tendo a esperança e doçura e culpar as estrelas por nossos erros de perdição e que foram propriamente nossos.
Nascemos com a maldição de, ousadamente sermos mulheres, tivemos caminhos difíceis por causa do desejo alheio que via em nossos traços delicados um mundo de prazeres. Entendo seu sofrimento, pois quando me olho no espelho sempre tenho vontade de chorar por saber que meus olhos nunca mais vão ser tão brilhantes com foram outrora.
Dizem que roubo e um crime grave, então porque sofremos tanto ao longo da vida com o roubo de nossas escolhas? Quando vamos parar de tão prematuramente iniciarmos nossa vida sexual achando que escolhemos, quando nos escolhem por termos corpos mais firmes e desejáveis? Quando podemos agradecer uma pessoa que nos ache somente bonita, se, por vezes, por trás do elogio se esconde a idéia de que não precisamos estudar, trabalhar, viver, se podemos apenas nos casar mais facilmente encontrando assim a felicidade.
Queria muito abraçar você e lhe dizer: Te amo, porque você existe e tem coragem para acreditar em dias claros. Deixando todo o conceito de gênero de lado, pois o amor costuma ser maior que isso, bem como costuma ter várias faces. O que lhe tenho sempre será terno e fraterno,como aquele dividido por irmãos.
Espero ver a cada novo dia, teus olhos brilharem encobrindo o estigma dos tantos traumas que a vida resolveu nos dar. Divido com você a minha dor, tocando na tua feridas só para lhe mostrar que na vida não estás sozinha, pois somos muitas, milhares de vozes femininas que tentaram roubar, mas com força conseguimos nos levantar do nosso leito de meninas para renascermos fortes e mulheres. Dessas que todos os homens desejam, mas poucos merecem ter.
Não se esqueça, eu amo você, pois em ti vejo muito de mim.

Após terminar de escrever a carta, Clarice, lacrou o envelope, lacrou e endereçou a sua amiga, Luiza, pois no fundo sabia que ela tinha algo que a incomodava e ela precisava falar, talvez para esquecer ou somente se livrar a culpa. Ela mesma vem sabia o que era ter pesadelos noturnos, e como não acreditava na máxima de que todas mulheres são inimigas, resolveu se abrir a amiga para ajuda-la a não sofrer o mesmo tempo que ela .
Colocou a carta na cômoda, abriu a janela e deixou o sol entrar, desejando do fundo do coração mais dias claros por vir e muitos motivos para sempre sorrir.

terça-feira, junho 24, 2014

Descobertas

Nada na minha vida vai ser mais emocionante do que ver meu menino lendo sozinho. Sua leitura em voz alta, demonstrando ainda certa dificuldade me faz lembrar de mim mesma que demorei para começar a ler, mas quando comecei me encantei tanto, que até hoje vivo me transportando entre mundos.
Vai meu pequeno, sorria sozinho, viva aventuras que te transporte para mundos nunca antes conhecidos. Quero ficar aqui te observando de canto enquanto você, sutilmente, se aventura dentro da sua imaginação.
Te desejo risadas com a Turma da Mônica, aventuras em casas mal assombradas, viagens por mundos encantados e terras muito distantes.
Quero seus lindos olhos castanhos cada dia mais brilhantes, teu sorriso cada dis mais largo e bonito. Quero poder  discutir sobre As Mil e Uma Noites com você, e ver em seus olhos o brilho de mundos enquanto falamos das aventuras das quais mais gostamos.
Desejo dar a você meus livros que, apesar de poucos, guardam em cada página um sorriso e uma aventura vivida por sua mãe, assim como um dia quero ler teus livros preferidos para que possamos sempre brincar de nos reconhecermos nas páginas de nossos livros favoritos.
E um dia ainda quero te apresentar as poesias de poetas que tanto me fizeram sonhar, quanto sentir angústia diante do mundo e das coisas. Mas se você não gostar de poesia, tudo bem, pois não precisamos ser exatamente iguais para nos amarmos, precisamos apenas se presença um na vida do outro. Nem precisas gostar dos livros que um dia eu li, desde que os seus lhe façam feliz.
Por hora tudo o que me importa e me encanta e poder assistir as descobertas de uma criança que a cada novo dia me ensina como ser uma pessoa cada dia mais feliz.

quarta-feira, junho 18, 2014

De Repente Trinta

Não, essa não e a história de uma menina de 13 anos que se trancou no armário com um pó mágico e quando saiu de lá tinha 30 anos. Essa e apenas a minha história, escrita com a aceitação dos fatos e passagem natural do tempo em minha vida.
Mesmo assim, juro que gostaria de ter uma máquina do tempo, só para voltar aos meus 16 anos e dizer a mim mesma:
- Mantenha a calma, tudo vai acabar bem no final. E depois do fim, teremos belos reinícios e histórias para contar.
Nessa idade tive uma decepção tão grande na vida que fiquei sem rumo. Foi ai que parei para refletir e não sabia ao certo o que iria fazer, queria apenas que minha vida desse certo, por isso mesmo frágil escolhi ser forte, como tantas guerreiras dos desenhos que gostava se assistir sozinha.
E assim a vida se seguiu... terminei os estudos, fui aspirante a modelo, trabalhei com eventos, escrevia... Ganhei uma bolsa de estudos (uma das primeiras contempladas pelo PROUNI), fiquei grávida, ganhei um filho e perdi minha bolsa de estudos. Respirei fundo... fui mãe, não passei por dois pontos na USP, prestei novo vestibular, passei,  voltei a estudar, voltei a trabalhar, me tornei pai e mãe, me for ei em pedagogia. Consegui um emprego novo, recebi um convite para voltar a estudar, larguei o emprego após ser assaltada e desrespeitada como profissional e mulher. Escrevi m projeto de pesquisa no qual trabalhei pelo resto do ano, fiz processo seletivo para o mestrado, passei.
Conheci virtualmente aquele que seria o amor da minha vida, viajei para colocar a cabeça no lugar e iniciar nova etapa na minha vida. Cumpri uma promessa conheci pessoalmente meu querido, iniciei um namoro, fiz amigos novos  especiais, viajei para congressos, estudei, escrevi, engravidei.
Montei uma casa, ganhei uma filha, passei a ser apenas mãe dos meus filhos, mudei de cidade, aprendi a ser feliz.

Pois e, tudo isso ocorreu desde os meus 16 anos, quando decidi não ter mais pena de mim. Por isso se, acaso, perguntaram como me sinto agora com 30, a única resposta que posso a e:
- Ansiosa por tudo aqui que ainda esta por vir nos próximos anos da minha vida.

domingo, junho 15, 2014

Meu Terrível Batom Vermelho

Certa vez um namorado que tive falou para eu nunca usar batom vermelho porque no meu tipo de boca ficaria horrível. Desse então esse e o batom que eu mais uso.
Se me perguntarem qual parte do meu rosto eu mais gosto vo dizer sem muito pensar que e o meu rosto, pois ele e harmônico, nos meus traços eu percebo minhas múltiplas descendências. Na minha cor, olhos, tipo de nariz e boca uma história diferente, um traço do passado que me faz ser quem eu sou.
Na minha boca, em especial, trago a história do amor dos meus avós maternos, uma mulher branca e um homem negro dos olhos cor de mel. Sinto orgulho de ter algo em mim que todos os dias me faz lembrar do meu avô, se tenho esse sorriso largo e graças a ele que embelezou meu rosto com sua herança de carinho.
Recentemente, estava na sala de espera do médico e uma senhora gentilmente me perguntou se eu tinha alguma deficiência por causa do tamanho dos meus lábios, justificou sua pergunta explicando que estava apenas preocupada com sua filha, uma menina branca de  um ano, lábios carnudos. Educadamente expliquei a ela que era apenas uma característica comum entre descendentes de negros, e até era considerado como uma característica atraente para muitas pessoas. Logo o médico a chamou e ela entrou mais aliviada no consultório, não antes deu lembrar a ela de algo importante.
- Olha, quando ela crescer não a deixe usar batom vermelho cereja, senão as opções de pintura dos olhos vão ser reduzidas, caso ela venha gostar de pintar os olhos.
Sabe, diante de um preconceito podemos ter diferentes reações, no meu caso eu sempre escolho a indiferença, pois nua ninguém vai me fazer sentir vergonha do que eu tenho orgulho, do que me caracteriza e marca para muitas pessoas.
Triste e pensar em todo o sofrimento que a pequena garota vai passar ao longo se sua vida, talvez venha a ser uma bela menina que, insegura, vai sofrer ao longo de sua vida inteira tentando alcançar uma falsa beleza ideal.
Quanto a mim, não se preocupem, esse tipo de ignorância não me afeta, apenas mantenho minha mente quieta, um coração tranquilo sempre acompanhado do meu bom,velho e terrivel batom vermelho.

quarta-feira, maio 28, 2014

Meu Corpo

Se você olha uma foto do meu rosto e fica tentando imaginar como seriam as curvas do meu corpo, fique tranquilo, pois eu posso lhe contar, esse corpo que você tanto insiste em desejar é todo e exclusivamente meu, por isso eu me dou ao luxo de preserva-lo.
Tenho curvas femininas como as de qualquer mulher, em cada curva uma história que fala um pouco do caminho que até hoje percorri. As manchas  na cintura são minhas tatuagens, marcas de vida dadas pelos meus filhos que vieram ao mundo naturalmente me fazendo mais feminina e mulher. Meus seios pequenos, maduros pela idade, sempre firmes, como herança que trago na cor da pele morena, que cuido como jóia, pois nela vive minha identindade. Quadril largo, sempre bem escondido com roupas sóbrias e confortáveis, pois meu corpo não nasceu para ser exposto, nasceu para ser lido em braire, por dedos firmes daquele com quem escolhi viver e me entregar.Com ele divido a beleza que existe e pertence a mim.
Uma mulher não precisa menos do que seu rosto para se apresentar, para que as pessoas possam reconhece-la, a mesma mulher tem o direito de preservar seu corpo, pois não é bonita apenas a triste menina que mostra os seios ou suas curvas e esquece do seu rosto, o que dá a beleza a uma mulher é a certeza de saber quem ela é, tendo a coragem de se apresentar ao mundo como um ser dotado de inteligência e delizadeza, pois as curvas, o corpo, a sedução, são todos artificios que fazem parte do nosso ser, mas que não devem ser vulgarizados em prol dos desejos alheios.
Você, homem, que deseja saber como é meu corpo, fique nu em frente ao espelho, ou mostre o seu publicamente, pois só assim eu irei acreditar na normalidade do desejo pelas minhas curvas que nunca ão de ser publicas, ou tuas.


A Culpa

Não, não adianta me dizer que eu tenho que esquecer e seguir em frente. Tem coisas que marcam tanto a gente e tudo que conseguimos fazer é encarar para sobreviver.
Carrego em mim a dor de não pertencer mais a mim mesma, minha alma, pureza, tudo  me  foi roubado e nem o tempo vai poder me trazer de volta. 
Em pensar que tudo o que consigo me lembrar é da voz me falando: - A culpa é sua...
Realmente, a culpa é minha, por  não ter gritado no escuro, ter chorado mais alto, não ter o corpo desejavél, todas culpas minhas que, por vezes, no escuro da noite retornam a minha cabeça me fazendo gemer enquanto durmo, um barulho que não carrega nenhum prazer, apenas a escuridão de feridas sempre vivas me marcando. Não importa o tempo que vai passar isso é o que eu sou e a culpa é minha.
Muitas mulheres já me falaram: - A culpa não é sua, isso foi uma violência. 
Mas a vergonha, a dor, a falta de jeito para se defender... A gente nunca espera nenhum mal vindo da pessoa que amamos... Essa sempre vai ser minha culpa, essa que só cresce sempre que essa ferida me toca e só aumenta quando analizo o fato no meio do mundo dos homens. 
Dizem que ser feminista é uma besteira, que são todas reclamações infundadas vindas de mulheres insatisfeitas com o mundo porque não possuem seu próprio homem... Realmente, nunca vou me dar o direito de ser tão idiota quanto um homem dos mais machistas, pois isso não é feminismo . Contudo sempre me darei ao direito de lutar pelos direitos de, ao menos na hora da minha morte, abandonar meus pensamentos masculinos, segurar nas mãos da menina de 16 anos encolhida no chão, enxugar suas lágrimas e dizer: 
- A culpa não é sua, enxugue os olhos e vá crescer.

quinta-feira, fevereiro 06, 2014

Retalhos I

Sentiu que estava sendo observado, caminhou ate a janela para fe.char as cortinas,  som da mulher que chorava e chamava por sua mãe era perturbador , ter vontade de gritar com ela, mas desistiu e caminhou para janela. Foi quando se deparou com o seu o seu observador e por um segundo os dois se olharam fixamente.
O que será que essa porra pensa?
Mas cedo, naquele mesmo dia o homem do lado de fora descobria como acontecia a morte de um grande amor.

- Querido, esta doendo demais essa mordida, quando o Paulinho se acalmar temos que levar ele no psicólogo. Sabia que ficaria triste OM a morte do seu cachorro, mas não imaginava essa reação.
- Depois pensamos nele, agora minha preocupação e você, amor. Ele esta e vai ficar bem.
A sala de espera do pronto atendimento estava lotada, sentados de frente para o  casal estavam um casal de idosos, a senhora tinha tanto carinho por seu marido que era bonito de se ver.
- Quero envelhecer ao teu lado desse jeito, amor. Tão bonito carinho assim, mesmo depois de anos juntos.
- Vou te amar pra sempre, querida, sempre.
O homem se aproximou da mulher para beijar ela, quando de repente  o senhor que estava sentado na frente deles caiu ao chão, espumando pela boca. Enquanto sua esposa corria atrás de um médico, o jovem casal se levantou na tentativa de ajudar o senhor idoso. A moça colocou seu ouvido bem perto do coração do senhor e foi nesse exato momento que ele acordou e começou a morder como um animal o pescoço da moca que olhava para o seu marido pedindo socorro enquanto gritava de dor.
O medo paralisou o moço que observou em choque a morte de sua amada. Só recobrou os sentidos quando viu o corpo da mulher cair sem vida no chão enquanto a senhora voltava com o médico que como ela ficou horrorizado ao ver o senhor debruçado sobre o corpo da moça arrancando pedaços de sua pele e carne.
- Corram, ele está louco.
O moço, o médico e a senhora começaram a correr  em busca de uma saída daquele inferno. Enquanto a senhora tentava correr o mais rápido possível, chorava pensando em como quarenta anos de casamento tinham terminado daquela maneira. O moço só pensava na sua covardia diante do sacrifício de sua jovem esposa e, por um instante se lembrou de seu pequeno filho, será que ele estava bem?
Saindo do hospital encontraram um caos imenso, pessoas se jogavam das janelas por desespero, e isso acontecia em todos os prédios ao redor.
O moço abandona o médico e a senhora e sai correndo em direção a sua casa que fica a três quadras do hospital. Chega com certa dificuldade, sempre desviando dos monstros que atacam os pedestres. Ao abrir o portão de casa não ouve barulho algum, caminha até o canto da garagem e pega um martelo na caixa de ferramentas, abre a porta da sala e vê seu filho parado em frente a televisão,  e quando pensa em respirar aliviado vê que seu filho não esta assistindo, ele come uma mão humana que, pelo anel, pertencia a sua tia. Horrorizado ele caminha sem fazer barulho  em direção ao menino e quando vai martelar sua cabeça e surpreendido pela rapidez da criança que vira e lhe da uma mordida na mão. Mesmo com essa surpresa ele consegue golpear o menino que cai sem vida ao chão.
Tudo terminado ele se senta no chão da sala e começa a chorar desesperado enquanto a dor toma conta de seu corpo. Chora até seus olhos adquirirem uma cor de leite e toda vida e racionalidade desaparecer. Assim ele caminha na direção da rua vagando em busca de carne humana para saciar sua fome voraz.
Chegando ao final de uma rua de um bairro simples vê um homem dentro de um casa e só consegue pensar em como poderia se aproximar mais para alimentar se com sua carne.

Enquanto isso, o homem fecha as cortinas e volta a se irritar o a mulher em choque e com a situação bizarra na qual se encontra.
O que vai acontecer? Quem nesse mundo há de saber?