Páginas

quinta-feira, maio 12, 2016

Pra Não Dizer que Não Falei do Amanhã

Fonte: Google Imagens

Diante de toda essa politica de pão e circo que tanto tem nos afetado chegando ao grande dia onde a conquista democrática do afastamento da presidenta foi concluída me coloco a refletir sobre alguns fatos que são tão descaradamente ocultos por trás do discurso de ódio de alguns políticos que nos representam.
Sabe, quando a presidenta Dilma subiu a rampa do Palácio do Planalto em seu primeiro mandato sozinha, sem um primeiro senhor foi extremamente representativo para mim e milhares de mulheres que criam seus filhos sozinhas, foi a simbologia de que o futuro poderia sorrir até mesmo para quem ousa viver sozinha após o divórcio.  Mesmo com o lindo penteado de Marcela Temer, nada foi tão lindo quando ver uma mulher subindo a rampa e recebendo a faixa de presidente da Republica.
Se apoiava o governo Dilma? Posso dizer que votei nela no primeiro mandato com desconfiança, mas não me arrependi. No segundo mandato já fazia parte da esquerda que se opunha ao governo e suas alianças desastrosas com o PMDB, mas votei novamente nela e não me julguem, afinal, o outro candidato era o Aécio.
Mas tirando sua impopularidade por ela não fazer o tipo de politico que era mãe dos pobres e pai dos ricos, nessa politica populista ultrapassada que o povo tanto almeja ver, qual foi o grande crime de Dilma? Verdade, as pedaladas fiscais que ocorreram não somente nesse governo, mas realmente é uma prática terrível para um governo patriota.
Ao lembrar de como Dilma começou e de como ela vai terminar só vem a minha mente aquela velha história de homens colocando as mulheres em seu devido lugar que, definitivamente não é na politica, ao menos que você seja bela, recatada e do lar, claro.
Todas as pessoas em periferias, em grandes centros ou mesmo em locais públicos festejando a conclusão do processo com fogos e risos, desejo a vocês que amanhã possamos acordar em um paraíso verdejante onde poderemos brincar com leões e feras selvagens, pois Deus será o senhor que guiara a nossa Pátria.
Ironias a parte, toda essa historia me faz lembrar de um livro excelente intitulado Escute, Zé Ninguém de Wilhelm Reich, que narra o desespero do homem que, podendo ser grande, mergulhou na Era do Homem Comum, por medo de assumir sua liberdade e fazer suas próprias escolhas. Nesse livro o autor nos fala sobre como sempre escolhemos o lado mais sombrio para a resolução dos nossos problemas, dando um exemplo esquerdista, como entre a democracia de Lenin, preferiram a ditadura de Stalin. Sempre escolhemos a ditadura por causa desse medo que temos de admitir que somos responsáveis pelas nossas escolhas.
E o que tudo isso tem haver com nossa atual politica? Percebam, não é ruim querer mudanças, mas não podemos continuar fingindo que não somos responsáveis por nossas escolhas.
Sabe, uma menina apanhou de policiais... Deve ter merecido certamente....
As pessoas não são capazes de se solidarizar por uma mulher que foi agredida tamanha é a pulsão de morte que estamos a engrandecer nos nossos dias. 
-Bom mesmo eram os militares no poder para o país ir pra frente. Esse era o tempo bom.
Você, louco por militarismo me diga, o que aprendeu na escola sobre os pracinhas brasileiros? Não é estranho numa ditadura militar com a disciplina de educação moral e cívica, pouco sabermos da importância dos nossos soldados, do nosso exército?
No fundo todos sabem, quem levanta essa bandeira idolatra velhos patéticos que não tiveram a coragem necessária para ir a guerra e ficaram por aqui abusando de pessoas ingenuas como as que soltam fogos diante de uma hedionda politica de pão e circo.
E só para não dizer que eu não falei do amanhã, desejo profundamente que nossa politica e economia melhore como tantos tem pintado que acontecerá, porque mesmo diante de títulos também reconheço que sou uma Zé Ninguém e por ser assim tenho verdadeira vocação para ser feliz, uma vez que reconheço e aceito meus defeitos e sei que minhas escolhas pertencem a mim.
Obrigada Dilma por toda a representatividade que um dia mostrou para todas as mulheres, por sua coragem de não querer parecer bonita, por ter subido a rampa duas vezes segura e sozinha. Através de seus olhos muitas mulheres enxergaram uma nova possibilidade em suas vidas. E mesmo não concordando com você em todas as medidas e alianças, mesmo vendo o seu governo com um tanto de desconfiança não tenho vergonha de dizer: Podem nos derrubar, mas para cada mulher derrotada duas vão se levantar, pois a vida é luta e sempre estaremos dispostas a despertar.
Ao amanhã que ira despertar, boa sorte meu país, já que isso é  tudo o que posso desejar, visto que reforma politica acaba sendo um sonho distante que jamais irão desengavetar.

2 comentários:

deise marinho disse...

Texto muito bom! Parabéns!

Leticia Brito disse...

Obrigada, Deise.